Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Email

Blog por mail

Predadores: perigosos e admirados?

20.01.12
PREDADORES: PERIGOSOS E ADMIRADOS?

Principalmente as mulheres devem ler este texto, vão identificar a conduta de diversos companheiros que lhes fazem ou lhes fizeram sofrer:

Texto traduzido do Espanhol:

Nada le molesta. ¡Desearía ser un poco como él!
Um site de ajuda a vítimas de sociopatas:

http://psicopatia-narcisismo.blogspot.com/2008/06/nada-le-molesta-deseara-ser-un-poco.html


    "A falta de consciência, empatia e remorso estão no centro da patologia psicopata. Assim escrito em papel soa horrível, mas na realidade, na ação de um predador é de um jeito diferente, e muitas vezes faz com que as mulheres queram ser um pouco mais assim!

    Lá no fundo a mulher (a menos que ela tenha  uma doença), não é isso que realmente ela quer. É simplesmente esgotou sua próprias barragem de atividade mental, cheio de pensamentos que invade, com o coração partido, com uma necessidade constantemente ser mais alerta.

    Talvez só queira que a dor desapareça, e se isso significa tornar-se superficial e achar que tudo "dá uma maldição", então que prefere adotar as características patológicas do seu companheiro.

    O grupo B, Transtornos da Personalidade (transtorno de personalidade borderline, narcisista e anti-social o sociopata ou psicopata) é caracterizada principalmente por uma falta de consciência, empatia e remorso (a partir de agora vamos usar a sigla REC para se referir a esses recursos).

Até certo ponto, apenas o grau de falta de REC pode determinar o tipo de desordem e periculosidade do predador.

Na parte superior do grupo é a personalidade anti-social, como tem a maioria dessas características. Mas todos os três transtornos têm essa falta dentro, e se sobrepõem.

Então, o que parece ser uma falta de consciência, empatia e remorso?

Aparentemente, vendo a pessoa de um ponto de visita da normalidade, dá a impressão que a pessoa não se preocupa, tanto por suas ações, quanto o que os outros podem vir a pensar sobre seu comportamento.

Ele se mostra muito confiante em suas escolhas e comportamento. Parecem desfrutar dessa confiança mesmo quando se comportam mal, sempre demonstram razão, mesmo quando eles ferem outra pessoa.

O fato de não darem importancia ao que os outros pensam é visto como uma qualidade. Você começa a fazer a sua vida sem o efeito perturbador de como os outros o vêem.

Não se deixam perturbar, numa nuvem de apatia impenetrável, mesmo diante de todos os tipos de consequências negativas, quer social, emocional, sexual, monetário ou físico, como resultado de seu próprio comportamento.

No entanto, a falta de REC é a única coisa que nos diferencia de algumas espécies animais. (Você já tentou fazer um gato se sentir culpado?) É a nossa humanidade. O fato de que vários níveis de psicopatologia da falta destes elementos deve ser um indicador de sua capacidade limitada para agir "como seres humanos" em determinadas situações.

As pessoas não se surpreendem quando bandidos com esta falta de REC seqüestram crianças, machucam os animais, roubam, mentem, enganam e são infieis. A consciência moral diz respeito ao impacto e emoção das características culpa.

A culpa é o alarme do nosso comportamento, ou seja, não se pode fazer algo errado, para não nos sentirmos culpados. Em última análise, a culpa evita ferir outros e a nós mesmos, para não ter que com aquela terrível sensação de arrependimento.

Mas em um ser patológico esta qualidade não magoar os outros (e a si mesmo), mas não tem o discernimento para reconhecê-lo como um dano causado por eles, prejudicando a sociedade e deixando um rastro de mulheres e crianças feridas, enquanto ele vivem alegremente cantarolando uma canção.

Não se deve admirar a sua capacidade de ferir os outros. Em uma de nossas palestras recentes, alguém repetidamente trouxe à tona o assunto, dizendo que pensou que fosse bom se ela assim fosse, um ser patológico não tem remorso e não se sente afetado por seus próprios sistemas de crenças e, portanto, se nós nos tornamos como eles, e fizermos o mesmo que ele, ficaríamos mais infelizes porque eles reagem menos ao que fizemos, ele não se importam

A única coisa que nos distingue como seres humanos é a capacidade de amar, ao passo que esses seres patológicos não se preocupam com os outros, doa a quem doer. O que nos torna seres, por assim dizer, não patológico, é a nossa capacidade de ter um olhar crítico sobre o nosso comportamento.

Mesmo quando você está ferido e gostaria de se tornar mais indiferente em busca da liberdade da dor, nunca será capaz de saltar para o abismo do REC patológica para escapar da tristeza, os pensamentos invadem ou outros sintomas que você gostaria de ver desaparecer .

Por isso digo a todas aquelas mulheres que não sejam patológicas como esses predadores, essa a única maneira de escapar da dor é esperar passar.

Suponha que você ainda saber a diferença entre o que é certo e o que é errado e ainda não atingiu a condição de seu parceiro, mas admira seu jeito de ser, significa que você não tem a doença!

Aqueles que adotaram, que compraram a forma como o predador vê o mundo, despresando o sofrimento dos outros, achando ser mais esperto, desejando viver uma vida cheia de dominação / poder / status, precisam fazer terapia para curar a maneira "consumiu" da visão patológica do mundo do predador.


Outro autor que falou sobre esta questão é Hervey Cleckley. Sua obra é resumida neste artigo tem a seguinte redação:

    "Nice", "charmoso", "inteligente", "Awake", "impressionante", "inspirar confiança", e "um grande sucesso com as mulheres": estes são os tipos de descrições repetidamente usada por Cleckley em famoso estudo dos psicopatas. Então, é claro, "irresponsável", "auto-destrutivo", e similares adjetivos. Estas descrições destacam a frustração e os mistérios que cercam o estudo da psicopatia.

Os psicopatas parecem ter muitas dessas características mais desejadas pelas pessoas normais. A confiança informal do psicopata quase parece um sonho impossível, e geralmente é o que pessoas "normais" tentam ganhar ao frequentar workshops de auto-ajuda.

Em muitos casos, a atração magnética do psicopata para os membros do sexo oposto parece quase sobrenatural.

Uma hipótese seminal de Cleckley leva em conta o fato de que psicopata tem uma verdadeira doença mental: um défice profundo e incurável de afetividade.

Quando você realmente começar a sentir alguma coisa, para eles são apenas o mais vagas emoções. Enquanto ações estranhas e auto-destrutivo tem conseqüências que irá encher o homem comum do ódio tristeza, auto-vergonha, para um predador simplesmente não é, o afetar minimamente.

O que os outros seria um desastre para ele não é apenas um inconveniente passageiro."


Esse pequeno artigo foi escrito por Sandra Brown, autora de “How to Spot a Dangerous Man”, para o seu blog Dangerous Liasons. Aqui é em português. Esperamos que seja de interesse e possa ajudar as pessoas foram vítimas de um psicopata a refletir como ganhar alguma esperança de ir em frente e voltar a encontrar o seu caminho,.

Enquanto o texto é direcionado às mulheres, pois a incidência da psicopatia é muito maior nos homens, também se aplica a homens que tenham sido vítimas de mulheres com transtornos de personalidade.

O Psicólogo
Enviado por O Psicólogo em 03/04/2011
Reeditado em 03/04/2011
Código do texto: T2887597
http://www.recantodasletras.com.br/pensamentos/2887597

Autoria e outros dados (tags, etc)

Hits

drupal stats

googlr